Overview

A depressão é uma doença mental que se carateriza por tristeza mais marcada ou prolongada, perda de interesse por atividades habitualmente sentidas como agradáveis e perda de energia ou cansaço fácil.

As causas da depressão são uma combinação de fatores genéticos e biológicos, aliados a uma situação emocional intensa como o divórcio, a perda de um ente querido, o desemprego, a incapacidade em lidar com determinadas situações ou em ultrapassar obstáculos, entre outras.

A depressão é um transtorno cerebral que pode ter muitas formas diferentes. Algumas pessoas podem apresentar um episódio de depressão nas suas vidas, enquanto outras podem ter acessos recorrentes de depressão e, por fim, alguns de nós poderão estar cronicamente deprimidos. Em qualquer dos casos, a depressão conduz à diminuição substancial da capacidade do indivíduo em assegurar as suas responsabilidades do dia a dia. A depressão pode durar alguns meses ou mesmo vários anos. 

Prevalência

A depressão afeta pessoas de todas as idades, raças, religiões e classes socais. A Organização Mundial de Saúde estima que em 2020 a depressão será a segunda causa de incapacidade em todo o mundo, logo depois das doenças cardíacas. É uma doença comum, grave e complexa que afeta um número estimado de 121 milhões de pessoas em todo o mundo. (1).

A depressão é mais comum nas mulheres do que nos homens. Um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde, em 2000 mostrou que a prevalência de episódios de depressão unipolar é de 1,9% nos homens e de 3,2% nas mulheres.

Um em cada cinco utentes dos cuidados de saúde primários portugueses encontra-se deprimido no momento da consulta. (2)

Sinais e sintomas

A depressão é uma doença complexa, com um conjunto alargado de sintomas. O número e a gravidade dos sintomas pode variar entre indivíduos e também ao longo do tempo.

Os sintomas mais comuns são:

  • Mudanças no apetite e alterações no peso (falta ou excesso de apetite);

  • Alterações nos padrões de sono: insónias, acordar muito cedo ou dormir demais;

  • Fadiga, cansaço, perda de interesse ou prazer;

  • Sentimentos de culpa, inutilidade, pessimismo, de desespero.

  • Dificuldades de concentração, ou na tomada de decisões, falhas de memória;

  • Inquietude, irritabilidade;

  • Sintomas físicos persistentes que não respondem a tratamento, tais como dores de cabeça, transtornos digestivos ou dor crónica;

  • Pensamentos de morte ou suicídio, tentativas de suicídio.

A depressão pode ser um fator de risco para uma série de outras situações, incluindo abuso de substâncias, transtornos ansiosos, doenças cardíacas, suicídio. Se os sintomas depressivos se agravam e perduram por mais de duas semanas consecutivas procure ajuda do seu médico ou de um psiquiatra.

Tratamento

Se o seu médico lhe prescrever medicamentos antidepressivos, siga as suas indicações sem parar abruptamente o tratamento.

Estes medicamentos não têm efeito imediato: pode demorar algumas semanas, entre 4 a 6, até que se verifique melhoria dos sintomas. Esclareça as suas dúvidas e obtenha mais informação com o seu médico.

(1) Mental Health – A Call for Action by World Health Ministers, WHO Geneva, 2001
(2) Portal da saúde, Enciclopédia da Saúde, Ministério da Saúde, Portugal, 2013